O mundo dos refrigerantes vai muito além da Coca-Cola, do Guaraná Antarctica, da Pepsi e da Fanta Laranja. Temos uma infinidade incrível de marcas de refrigerantes espalhadas pelo Brasil. A começar pelas sempre lembradas  Tubaínas. Mas o post de hoje vai apresentar algumas bebidas regionais, que têm um gosto bem diferente do que estamos acostumados a tomar. Conheça algumas delas:

MATE COURO

O nome pode parecer estranho para muita gente, mas não para os mineiros. O Mate Couro é um refrigerante feito à base de erva-mate e chapéu-de-couro, duas plantas que podem ser encontradas em regiões brejeiras no sul de Minas Gerais. A versão original foi criada há 64 anos por farmacêuticos e era propagandeada como diurético. Hoje, a bebida é vendida sem pretensões medicinais.

Em 2003, a empresa lançou uma linha de refrigerantes com sabores como uva ou limão. “Mas eles não têm sabor de ervas, apesar de levar o nome da marca”, garante o gerente de vendas Lazio Divino Pinto. O Mate Couro é encontradoem Minas Gerais e começou a ser vendida este ano também no Espírito Santo.

LARANJINHA

Em Santa Catarina, o refrigerante que faz sucesso é o Laranjinha. O refrigerante tem um sabor de laranja bem mais suaves que os mais tradicionais. “Nós usamos o padrão europeu, mais agradável ao paladar infantil”, afirma Otávio Greuel. A bebida foi criada em 1925 por Max Wilhelm, imigrante alemão que dá nome à fábrica sediada em Blumenau (SC). Foi o primeiro refrigerante de laranja no Estado. Hoje, pode ser encontrado por várias cidades de Santa Catarina e nos Estados vizinhos.

GENGIBIRRA

Na região Sul do país, é tradição de algumas famílias fazer sua própria gengibirra com gengibre, água, fermento e açúcar. A Cini Refrigerantes desenvolveu uma versão gaseificada da bebida. O gengibre demora aproximadamente 1 ano e 5 meses para maturação do extrato, só então se dá início ao processo de produção de refrigerante.

Com sabor acentuado de gengibre, a promessa é que a Gengibirra, fabricada desde a década de 1940 no Paraná, atue como afrodisíaco, expectorante e excitante estomacal. Pode ser encontrada em Curitiba e em outras grandes cidades do próprio Estado e de e Santa Catarina.

GUARANÁ JESUS

Talvez seja o mais conhecido dos refrigerantes regionais. O Guaraná Jesus é um grande sucesso no Maranhão, onde competia em pé de igualdade com a Coca-Cola. Até que  a multinacional resolveu comprar a fábrica maranhense. A cor rosa da bebida parece muito artificial, mas na verdade vem de corantes de cascas de árvores. Seu sabor é de cravo e canela, bem diferente do encontrado normalmente pelo país.

O hábito de consumi-la no Maranhão é tão forte que algumas mães tiram seu gás para dar Jesus aos filhos desde cedo. O curioso é que o inventor, Jesus Norberto Gomes, era ateu e tinha fama de ter um pacto com o demônio. Chegou até a ser excomungado por dar uma surra em um padre.

ABACATINHO

O refrigerante Abacatinho, fabricado em Ubá (MG), é feito com base na folha do abacateiro. Não tem o gosto da fruta, mas é certamente incomum. Já fizemos a degustação aqui no Blog do Curioso.

FLYCEL POMELO

Outro refrigerante de abacate era feito pela Celina, indústria de Vera Cruz (RS). Eles pararam de fabricá-lo em 1978, mas estão adequando uma nova fórmula às normas do Ministério da Agricultura para relançar o produto. Mas o sabor de abacate não era o único incomum vendido pela Celina. Eles também têm refrigerante sabor pomelo.

O pomelo é uma fruta cítrica muito popular em países como Argentina e Uruguai. Celso Rehbein, sócio-gerente da Celina, diz que ela tem um sabor bem refrescante, entre o limão e a laranja. O refrigerante Flycel Pomelo é vendido principalmente nas fronteiras do Brasil com esses países.

Agora quero a sua ajuda para montarmos um grande mapa dos refrigerantes regionais do Brasil. Qual é o refrigerante querido da sua região e qual é a história dele? Escreva aqui seus comentários.

  • Share/Bookmark